Identidade desenvolvida para a décima edição do evento de tipografia DiaTipo São Paulo, ocorrido em 2018 com o tema “10 anos: E Agora?”. Em parceria com Andrea Kulpas.


Fragmentos de Fontes Brasileiras

Um dos pilares foi trabalhar com fontes cedidas por type designers brasileiros. A partir de um código criado no programa Nodebox, foi gerado um gride combinando fragmentos mais expressivos de diferentes caracteres previamente selecionados. Desta maneira, foi possível obter múltiplas possibilidades de padronagem que foram utilizadas como elemento principal da marca. Isso resultou em uma versatilidade ideal para a demanda de peças gráficas do evento, ao mesmo tempo que gerou um asset que permitiu aumentar a pregnância do evento nas redes sociais, mídias que até a edição anterior, eram pouco exploradas.

Objetivo

O objetivo era olhar para a história do evento e a partir disso focar nos próximos passos, sem esquecer do considerável crescimento da área tipográfica no Brasil. A identidade baseou-se em um padrão gerado no programa Nodebox, a partir de fontes criadas por designers brasileiros, a fim de apresentar o conceito do DiaTipo: um evento construído ao longo de 10 anos por tipógrafos que cresceram junto com o evento. Subverter as formas e contraformas da tipografia em cortes atuava também como um convite a profissionais de outras áreas, para conhecer, entender e fazer parte.

10 anos: e agora?​​​​​​​

O objetivo do projeto era encontrar uma maneira de celebrar os 10 anos e homenagear os diversos profissionais da tipografia no Brasil. As referências foram colchas de retalhos, legos, elementos modulares, caixas de tipos e até mesmo as janelas de caracteres, comuns em programas de desenvolvimento de fontes. Assim como uma tipografia é feita de diversas peças, pareceu-nos natural essa abordagem construtiva por fragmentos, que vão se sobrepondo para construir algo maior. Isso representa os 10 anos, um grupo pequeno que foi crescendo a partir das experiências de cada novo membro acrescentava até chegar onde está hoje.

Tipógrafas mulheres

De maneira bem aceita, as identidades das edições do DiaTipo obedecem uma abordagem tipográfica que faça referência ao principal palestrante. Não era intenção romper com essa tradição, porém, a data comemorativa nos deu a chance de transcender um pouco: em 2018 essa homenagem foi feita às tipógrafas mulheres. Além do conceito de textura, como fonte de apoio foram usadas a Artigo, de Joana Correa, e a Vinilla, de Flora Carvalho+Plau. Essa pequena mas significativa postura foi uma reparação histórica do evento que sempre teve baixo contingente de presença feminina como protagonista. A edição 10 do DiaTipo SP teve a participação majoritária do gênero feminino que representou 65% dos participantes.